Que a semana acabe

Quando as coisas começam a acumular a dificuldade que eu tenho de sair da cama é ainda maior. Eu acho que ficar ali, aproveitando aqueles momentos de paz é sagrado. Eu tento buscar o silêncio, mas os meus pensamentos gritam e me inquietam. Não dá mais para fugir, é preciso levantar.

Cresci com o discurso de que devo priorizar, sempre, os meus estudos. Aqueles que o disseram queriam e ainda querem o meu bem. Aquela coisa que crescer na vida significa estudar muito, passar em um Concurso Público e ter estabilidade financeira. Os efeitos disso eu sinto, só não sei nomeá-los muito bem. E aquilo que é para ser de todo o bem, acaba tendo seus efeitos ruins. Afinal, o que nessa vida não é feita do (des)equilíbrio entre remédio e veneno, não é?

É segunda-feira e eu não consigo me focar. É segunda-feira e me parece que essa semana não acabará. É a semana-pesadelo do semestre. É mil coisas para serem lidas em pouco tempo. É a exposição na frente da sala de aula cansada com o fim do semestre que terá que ocorrer. É o contínuo movimento das coisas que não é possível parar. Elas devem acontecer.

Falta organização? Tempo? Acredito que está para além disso. Falta encontrar prazer em todas essas coisas. Falta encontrar brilhos nos olhos. Falta… Falta a vida mesma nessas coisas que nos exigem de tal maneira, que parece não ter fim. Acho que é por isso um dos motivos que o saudosismo da infância venha. As obrigações mínimas. As brigas por doce. Quando imersos na vida adulta é difícil encontrar um doce preferido, uma brincadeira de gente grande diária.

Tenho medo do mundo que eu abraço transbordar. Tenho aflição de não dar conta de uma vírgula que tenho que fazer. Tenho medo de encarar essa semana-caos. E daí é fácil burlar. Você escreve um tweet aqui, compartilha um evento ali, olha um blog acolá. Nisso de desfocar a atenção para o que deve ser feito, vem uma dose de inspiração para a semana:

Porque – disse ela – quando você tem medo e faz mesmo assim, isso é coragem. — Coraline, Neil Gaiman.

Se alguma coisa escapar, cair, sair do rumo eu vou ter que dizer algo que me liberte: foda-se. Mas, só vou poder dizer isso se eu tentar, se eu encarar o medo. Pois, não posso acreditar que tudo e todos que me rodeiam tem o mesmo conforto da minha cama pela manhã.

Enfim, que a semana tenha fim e que alguma coisa faça os meus olhos brilharem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s