Turn Off

Quem nunca pensou que fosse uma loucura certa decisão tomada? Penso isso, às vezes, quando olho para trás e vejo que os meses já passaram, e falta mais um pouco para terminar os dias em Porto Alegre. Esse olhar para trás me faz dizer frases típicas de nós, adultos como, por exemplo,  “não tenho tempo para nada” ou “o tempo passou muito rápido”. Passo a questionar se é isso mesmo, ou se como sempre quero abraçar o mundo e ir por todos os caminhos que aparecem na minha frente.

Por um tempo demorei para desligar, apertar o Turn Off da minha vida lá, onde o sol aquece e é meu inferno e paraíso. Desligar sim, porque não poderia me responsabilizar por várias coisas, em uma vida que deixei e em uma nova que começava a construir. Demorei para perceber, por mais que já soubesse, que eu precisava dizer não. Que eu precisava aceitar que não daria conta de cumprir com coisas de lá, aqui, milhas e milhas distantes. Mais uma vez, expectativa e realidade sendo incompatíveis. Mais uma vez, nessa minha ansiedade de beber o mundo, de engolir a vida sem digestão, me fez pisar em falso. E é só pisando em falso que consigo perceber minhas próprias promessas falsas.

Hoje, consegui desligar um pouco. Consigo me relacionar com o tempo de outra forma, eu acho. É tempo de falta, muita falta. É tempo de perceber a dureza comigo, a dureza de estar realmente só, eu e o mundo e o frio. É tempo que passa desenfreado por mim, me atravessa e talvez demore um tempo para elaborar o que aqui se passa. Tempo de intensidade. Tempo de perceber que é possível estar só, sim e que é agradável poder compartilhar essa solidão. Tempo de construir outros laços, por mais difícil que seja. Tempo de passar rápido, tempo de Turn Off.

catarinasobral_8-relogio

Relógio | Catarina Sobral

Talvez, aperto Turn Off para coisas que não quero pensar, encarar. Pois, sempre há uma coisa ou outra que nos dói. Tempo de viver aqui e não só, há alguns laços que jamais serão desligados e você gostaria que eles estivessem próximos a você. Tempo de ser criticada, questionada e sentir-se nada. Tempo de perceber quais laços permanecerão, como permanecerão e aceitá-los. Tempo de aceitar o adeus e entender que as coisas jamais voltarão a ser o que eram, serão diferentes, nem melhores e nem piores: é tempo de aprender a não polarizar as coisas e sim acrescentar coisas, mesmo ponderando.

É tempo de desligar os preconceitos, esses que berram e que te doem. É tempo de reconhecer que nem sempre é possível acabar com todos eles. É tempo de aceitar, de uma vez  por todas, que não se pode tudo, infelizmente e parar de sofrer com isso, por isso. É tempo de deixar a arrogância de lado, assumir erros, agarrar os acertos e ser quem se é. Meio torta, meio fora do padrão, seja lá o que for isso. Aceitar-se e se alguma coisa ainda incomodar, respirar fundo, procurar formas de mudar. Lembra do que sempre se diz? no final, é só você contra você mesmo, não há culpados ou escapatórias. As escolhas são suas e as consequências também.

Se você desliga, e o que desliga, é só você quem sabe os efeitos disso… suas palavras, inclusive, talvez não deem conta disso. Mas, ajuda a aliviar. Assim como o abraço, o afago, o afeto que tanto te perturba não ter. Entende que desligar talvez não resolva mas, que vez ou outra, é preciso para não ser engolida. É preciso ruminar um pouco para sair palavras embaraçadas de um tempo acelerado, que você vive e diz não ter. Mas, se você não tem tempo para nada, o que é tudo isso que você vive?

7a2b4320d655299290fb532d8e362cfb

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s