Algumas possibilidades de Intercâmbios Acadêmicos

Ainda bem que isso aqui não é profissão, não é mesmo? Pois, a expectativa era alimentar isso aqui com várias dicas sobre mobilidade acadêmica, mas não hahaha. Não consigo fazer isso aqui com frequência 😦

Na única vez que falei sobre isso aqui, mostrei alguns pontos que envolvem a Mobilidade Acadêmica. A minha via de conseguir isso, foi por meio do Programa Nacional da ANDIFES. Porém, há outras formas possíveis de passar um tempo da sua graduação em outro local. E hoje vou escrever sobre os programas que eu conheço, não por já ter participado de todos eles, mas sim por saber dessas oportunidades e querer compartilhar com vocês.

1- Programa de Mobilidade Acadêmica ANDIFES

DESTAQUE MOBILIDADE ACADEMICA2

Mas Vanessa, você está em uma mobilidade ou em um intercâmbio? Então, estou em um intercâmbio, por meio de um Programa de Mobilidade Acadêmica. Entendo que intercâmbio seja o deslocamento de um lugar para outro que possibilite a troca: cultural, social, ideológica, linguística entre outros, não necessariamente tal intercâmbio tenha que ser de um país para outro. Esse Programa é possível por um convênio entre as Instituições Federais de Ensino (IFES), onde todas ou quase todas IFES do Brasil participam. Essa Mobilidade pode ser financiada ou não. Para saber mais sobre isso, deixa a preguicinha de lado e entre um seriado e outro dê uma olhada no site da Pró-Reitoria de Graduação da sua Universidade, assim você pode saber como funciona esse Programa na sua Instituição, bem como datas de Editais e essas coisas mais burocráticas.

2- Programa  Erasmus Mundus – Projeto EBW+

Desktop1

Quer ir para a Europa? Então, preste atenção aqui. O Projeto Euro-Brazilian Windows+ (EBW+) é uma parceria entre 20 Instituições de Ensino Superior tanto da Europa quanto do Brasil na categoria de Instituições Parceiras. E, mais 10 outras instituições, na categoria de Instituições Associadas. O EBW+ é  coordenado pela Universidade do Porto (Portugal) e é o Programa Erasmus Mundus que abriga esse Projeto, financiando-o. O Erasmus é um programa  de cooperação e mobilidade voltada para a área de Ensino Superior, implementado pela Agência Executiva relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA), da Comissão Européia. Sendo assim, essa parceria permite que centenas de estudantes saiam do Brasil e cheguem até algum país da União Européia. Há três “categorias” que podem realizar essa mobilidade: estudantes de graduação, pós-graduação e técnicos das Universidades. Essa parceria está firmada até 2020, então fique atento: é possível passar um tempo na Europa, fazendo uma imersão cultural e não só 😉

3 – Programas de Bolsas de Estudos do Santander Universidades

Imprimir

O banco Santander possui uma área totalmente dedicada aos Universitários e aos Jovens Profissionais chamado Santander Universidades. Dentre os benefícios que o banco fornece, estão bolsas de estudos para Intercâmbios Universitários por meio de um Programa com seis modalidades de bolsa, sendo eles: Top China e Top España com Edital 2015 encerrado; Fórmula Santander 2015, que beneficia alunos do Brasil, Reino Unido e México e com Edital 2015 previsto para abertura dia 25/5/2015; Bolsas Ibero-Americanas, exclusivo para alunos da graduação de 9 países, porém sua última Edição/Edital foi esse ano :(; Bolsas Luso-Brasileiras, esse programa é exclusivo para as universidades públicas brasileiras e contemplam alunos com interesse em ir para alguma Universidade de Portugal participante, também com inscrições encerradas 😦 e, por fim, Bolsas Ibero-Americanas para professores e jovens profissionais, sem inscrições disponíveis no momento.

4- Ciência Sem Fronteiras

logo-vetorizada_portugues

Acho esse um dos Programas mais polêmicos e conhecidos. É o que mais promove benefícios: há várias vagas além de um bom suporte financeiro. No CsF os estudantes podem ficar de um a um ano e meio fora do país, realizando a sua graduação e no caso de extensão para um ano e meio, aprendendo uma outra língua também, já que o programa prevê o custeio de curso da língua local. O CsF peca, ao meu ver, em dar prioridade as Ciências Tecnológicas e Biomédicas, deixando de lado as Ciências Humanas e isso diz muito sobre a lógica Educacional do país. Porém, você das Engenharias, da Medicina e demais áreas contempladas, não se inibe e não e vai lá fazer seu intercâmbio, viu?! 🙂

Atenção para mais algumas coisinhas: 

  • Todos esses programas  são geridos por um departamento da sua Universidade, seja ela Pública ou Particular, então procure esses locais caso tenha interesse em realizar intercâmbio. Apresentei aqui alguns programas que possibilitam isso, mas talvez haja outros e esses espaços institucionais provavelmente irão, acredito eu, indicar quais são eles.
  • Independente de qual Projeto/Programa forem participar, LEIAM SEMPRE OS EDITAIS. Dez mil vezes se preciso for. Eles são fundamentais não só quanto a datas, mas também para saber detalhes que fazem a diferença como a categoria contemplada para concorrer a uma vaga no programa de intercâmbio, além de documentação, informações sobre a gestão do dinheiro entre outros.
  • Os ganhos com a mobilidade, o intercâmbio são ímpares. Espero que assim como eu, em algum momento, vocês possam realizar esses tipos de troca e crescimento. 😉

Até uma próxima vez, seja lá quando ela for.

Beijos, Van. ;*

2ad75bbd11bd9f84f60a98a532de2da5

Anúncios

Vamos falar sobre Mobilidade Acadêmica?

 Olá, tudo bem com vocês?  🙂

Se você está aparecendo por aqui pela primeira vez, meu nome é Vanessa. No momento em que escrevo esse texto me encontro em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul – BR. Não sou daqui e confesso que ainda me sinto esquisitamente feliz nessa cidade. Vim para cá há uma semana  para realizar Mobilidade Acadêmica. Mas, o que é isso? Do que se alimenta? Bom,  vou tentar falar um pouco sobre isso para vocês abaixo, vamos lá?

Captura de tela inteira 06032015 181858


O que é Mobilidade Acadêmica?
Na verdade, Mobilidade é o nome de um Programa da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), que tem como objetivo regulamentar e possibilitar uma cooperação técnica-científica entre as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES).

Tanto a UFMT quanto a UFRGS são conveniadas a esse Programa de Mobilidade da ANDIFES. Foi ele que me permitiu sair do ninho por um semestre. Agora, faço Psicologia na UFRGS e não mais na UFMT. Dá saudade sim, mas não mata ninguém.

Quantas instituições estão vinculadas?
A ANDIFES disponibiliza um documento em seu site onde constam 64 IFES conveniada a esse Programa. Corre lá e vê se a sua instituição não está no meio e comece a pensar na possibilidade de fazer mobilidade 😉

Quem pode participar?
Você  é aluna ou aluno de alguma IFES? Então, pronto! Você já pode participar!
Aliás, calma. A burocracia existe e é preciso se ater aos seguintes critérios para participar:

  • Ter concluído 20% da sua graduação. Isso equivale aos dois primeiros semestres do seu curso.
  • Caso a pessoa tenha interesse em sair para mobilidade no seu terceiro semestre, só poderá realizar isso se tiver até duas reprovações (uma em cada semestre). Então, meus caros, tomem cuidado com aquelas aulas faltadas para ir ao bar com os amigos. Se você quer sair em semestres posteriores ao terceiro, devem atentar-se a essas reprovações. É só uma em cada semestre que antecede a sua ida.
  • Está no último ano da sua graduação? Desculpas, mas não há mais tempo para você. As saídas para Mobilidade exigem que você tenha 20% da sua graduação concluída e que falte até 20% do curso para você terminar. 😦

Ok. Quero participar, como faço?
Atente-se aos editais da Pró-Reitoria de Graduação da sua IFES, é o setor de Mobilidade Acadêmica de cada IFES que cuidará dos tramites institucionais do aluno ou da aluna. No documento de Convênio com a ANDIFES consta que as Instituições devem manifestar interesse até 31 de maio do ano vigente, para os alunos que desejam ingressar no segundo semestre letivo em outra Instituição. Ou, até 31 de outubro, caso o interesse seja no primeiro semestre letivo do próximo ano.

É por meio dos editais que os alunos poderão se informar sobre os prazos de entrega de documentos, por exemplo, e quais são eles. Além de critérios que cada instituição pode expor nesse edital.  São os editais que irão apresentar aos alunos um cronograma de datas ,de acordo com os prazos já estipulados pelo Programa.

Ganho bolsa para fazer essa mobilidade?
Bom… depende. O Edital ao qual eu concorri previa bolsa para os alunos selecionados. Caso tivesse algum aluno que manifestou interesse por meio do Edital e não foi selecionado mas, mesmo assim, quisesse fazer mobilidade, era só informar à Pró-Reitoria para que eles enviasse o interesse do aluno para a IFES desejada.

Atenção! Nesse tipo de Edital duas coisas estavam em jogo para mim:

  1.  Conseguir uma bolsa que me ajudaria no período em que estivesse na IFES para a qual manifestei interesse em ir. Sendo assim, esquece isso de que haverá passagem, plano de saúde e vale alimentação na conta da Dilma, não estamos falando de CsF (brimks, pois esse programa tem restrições também e volto em outro momento para falar dele). A bolsa conseguida via Edital só é depositada em sua conta a partir do mês em que suas aulas começam (por favor, alguém que libera minha bolsa, se você estiver lendo, já pode liberar).
  2. Após ter sido aprovada nesse Edital interno da UFMT, concorrendo a bolsa, vem o momento de vácuo eterno, dependendo da Universidade que você escolher para ir. Após o Edital, a Pró Reitoria de Graduação da UFMT entrou em contato com a da UFRGS. Esse contato é necessário para ver a disponibilidade de vaga para o meu curso e aguardar o envio da Carta de Aceite. A partir disso, a burocracia para oficializar que eu sou uma “aluna em mobilidade” é efetivado.

Então, envolve um tempo de espera e ansiedade, caso você seja igual eu.
O segundo ponto acima ocorre caso o aluno queira ir para Mobilidade, independente de ter bolsa ou não.

Como escolher a melhor IFES?
Isso é preciso ver com cuidado. Eu escolhi UFRGS por algumas razões, como conhecer algumas pessoas aqui, já conhecer a Universidade por meio de Eventos Acadêmicos e parcerias que a UFRGS tem com o grupo de pesquisa que participo na UFMT. Então, isso conta muito: estar mais familiarizada com o lugar.

Mas, se você quer ir para Federal do Ceará por conta das belas praias ou para a Federal de São Paulo e não conhece nenhum desses lugares, eu tenho uma dica: se joga. É possível obter informações sobre esses lugares na internet, grupos no Facebook estão aí para isso. Desafios são bons, eu sei e você sabe, e se você não tem nada a perder o que te impede de ir?

Um fator que auxilia na escolha também é o Currículo do Curso. A Psicologia da UFRGS é diferente da UFMT. Faço disciplinas aqui que nunca faria lá, além de discussões que nunca tive durante a graduação. Estou quase no final do curso, no final desse semestre faltará um ano, e em questões acadêmicas (mas não só) esse momento está sendo muito importante.

Eu só posso escolher fazer Mobilidade para o meu Curso?
Eu não sei muito bem o motivo de ter colocado isso aqui, pois a resposta é meio óbvia: sim, só pode sair da sua Universidade para fazer o mesmo curso em outra, com disciplinas diferentes. Vou colocar alguns pontos agora sobre como fiz para escolher as disciplinas e qual alternativa eu vejo caso você tenha interesse em algum curso que não o seu. (Juro que já está acabando e você pode ir assistir a sua série favorita).

  • Primeiro é preciso que o aluno saiba que você vai fazer um semestre em outra Instituição. Isso significa pensar em escolher disciplinas na Instituição para qual você quer ir, de maneira que elas possam ser equivalentes e eliminadas posteriormente. Então, escolhi disciplinas que fossem mais próximas das que faltam eu terminar na UFMT e também que eu tivesse mais interesse. E, depois dessa primeira semana, posso dizer que fiz boas escolhas. Quando eu chegar na UFMT, abro um processo e posso aproveitar as disciplinas que fiz aqui, lá e formar com a minha turma, espero eu 😀
  • Se tem algum curso que você deseja conhecer, escolha apenas uma disciplina dele na Universidade para a qual você vai. Ah, e isso pode ser feito na sua própria Universidade… na verdade, não sei se em todas, mas na UFMT pode.
  • Não preencha sua semana com mil aulas por dia. A  Universidade é bem mais do que aulas, vocês não sacaram isso ainda? Sem contar que vocês estarão em um lugar diferente, explore-o (essa última frase é uma dica para mim mesma).

Vale a pena?
Sim, claro, sem a menor dúvida.
“Não tenho recordação de felicidade igual, é tão diferente de tudo que senti que é deliciosamente assusta-dor.”

Para saber mais…
Pode parecer que sim, mas não sei isso sozinha, veja só:

  • Site da ANDIFES que tem mais detalhe da coisa toda.
  • Fiquem de olho no calendário acadêmico e/ou site da Pró Reitoria de Graduação da Universidade de vocês. Lá provavelmente tem informações gerais sobre documentação e editais anteriores.
    • Pró Reitoria de Graduação UFRGS
    • Pró Reitoria de Graduação UFMT

 

Textão né? Mas, acredito que tenha todas as informações básicas para vocês saberem um pouquinho sobre Mobilidade Acadêmica.

Vai ter mais posts assim, informativos. Caso tenham alguma temática em específico ou dúvida sobre essa é só deixarem nos comentários.

Obrigada por chegar até aqui.

Beijos,
Van.